Planejamento financeiro: quanto custa ter um filho?

Planejamento financeiro: quanto custa ter um filho?

17 Setembro 2015 - 14:28
Publicado em:

Ajustar as contas antes do bebê chegar aumenta a tranquilidade do casal. Veja como fazer esse cálculo caso a mãe pare de trabalhar

Ajustar as contas antes do bebê chegar é o melhor meio de planejar a gravidez [Crédito: Arquivo Pessoal]

Ter um filho. Além disso acontecer por vontade do casal, a questão financeira importa muito. Afinal, esse é o maior investimento de todos que podemos fazer na vida, né?

Segundo uma pesquisa do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing (INVENT), um filho pode custar até 2 milhões de reais aos pais até completar 23 anos. 

Por isso, quando um casal consegue planejar a gravidez com certa antecedência, a tranquilidade financeira pode ser maior, principalmente se a mãe pretende dar um tempo no trabalho depois que o herdeiro chegar.

Se esse for o seu caso, a ideia é começar a poupar desde já, antes mesmo de engravidar.  “Deve ser feita uma poupança prévia pelo casal, com base no custo do orçamento atual mensal (antes do filho nascer) e acrescentar 20% por conta dos gastos futuros com o bebê. Assim, se o orçamento da família é, por exemplo, de R$ 3 mil por mês, para suprir o salário da mãe que quer ficar 1 ano sem trabalhar, o casal deve estimar que será necessário R$ 3.600 para cada mês não remunerado. Considerando que normalmente a mãe tem direito a licença-maternidade, férias, etc, o valor total que se deve ter numa poupança ou equivalente, é de R$ 21.600,00 (R$ 3.600 x 6 meses)”, explica Gilberto Braga, professor de Finanças do Ibmec/RJ.

Outro cálculo que deve fazer parte do orçamento do casal mais pra frente é a escola. De acordo com Braga, o casal, antes de tomar a decisão de engravidar, deve fazer um levantamento do custos das creches para o período em que a mãe voltar a trabalhar e verificar se o orçamento familiar comporta a despesa.

O enxoval e os custos com a montagem do quarto são os gastos iniciais que preocupam os casais. “A nossa sociedade tem o hábito de se fazer chá de bebê, cuja lista pode ser montada pelos pais. Assim, uma boa parte do enxoval tende a ser suprida pelos presentes dos amigos, logo eu apostaria em investir na montagem do quarto”, aconselha o especialista.