Livro “Dois Traços Cor-de-Rosa” incentiva a presença do pai na vida das crianças

Livro “Dois Traços Cor-de-Rosa” incentiva a presença do pai na vida das crianças

10 Dezembro 2015 - 15:12
Publicado em:

Diego Peso é o pai-moderninho, autor dessa não-ficção inspirada na chegada da Rafaela, sua filha de quase 3 anos. Quem é pai hoje em dia vai se identificar com ele

Tornar-se pai é reinventar-se, mudar de vida, de prioridades e milhares de outras coisas. Imagina então quando a paternidade chega de surpresa. Foi assim com Diego Peso, cantor da Banda Outdoor. A virada foi tão intensa que a experiência de vida dos primeiros meses da pequena Rafaela, hoje com 2 anos, rendeu um livro, o Dois Traços Cor-de-Rosa, o Nascimento de um Pai.

E o que motivou o pai deixar de lado o microfone e as fraldas para sentar e escrever foi justamente o papel que os pais de hoje em dia exercem. “Cheguei de madrugada do trabalho e assim que entrei em casa a Rafa acordou. Depois dos ‘procedimentos’ normais pra fazer um bebê dormir, fui comer alguma coisa e acabei lendo uma publicação no Facebook. Era um texto que dizia que pai era bacana, mas que a mãe era essencial. Resolvi comentar aquele texto e defendi os pais. Pra minha surpresa foram quase 1.500 curtidas e quase 300 respostas, na maioria mães reclamando dos pais de seus filhos”, conta ele.

Foi assim, em algumas madrugadas, entre uma mamada e uma troca de fraldas, que Diego deu início ao livro. E o projeto, que era simples no começo, virou uma big idea. “Primeiro veio a ideia de criar a página Meu Super Papai. Depois veio a ideia do documentário. A Dani (Daniela Figueira, esposa de Diego e mãe da Rafa) disse que seria bacana se eu filmasse alguns pais contando suas histórias. Enquanto planejava o documentário, surgiu a inspiração pra escrever o livro. Foram 3 semanas escrevendo cerca de 18 horas por dia. Só parava pra cuidar da Rafa e dormia 2 ou 3 horas, no máximo”, conta. Haja fôlego, né?

Todo o projeto Dois Traços Cor-de-Rosa foi criado com objetivo de conscientizar os homens a serem mais presentes na vida dos filhos. E a inspiração veio justamente daquelas histórias que as mães contaram a Diego. “Eu achei que de alguma forma que poderia contribuir pra uma mudança no pensamento de alguns homens”. E não podemos negar nada menos do que nosso total apoio a você, Diego! Segue nosso papo, pra lá de inspirador!

MD: A gravidez veio de surpresa. Como foi essa notícia para você?

DP: Foram 6 anos e meio de namoro e em 10 dias de lua-de-mel encomendamos nossa pequena. A grande mudança pra mim foi a responsabilidade que uma criança exige. Como eu trabalho de madrugada, o dia pra mim sempre foi perdido. Sempre dormi até às 14, 15h. Com a chegada da Rafa, independente da hora que eu chego, 7h já estou de pé. Minha esposa trabalha fora e quem cuida das tarefas de casa sou eu, então não tenho mais tanto tempo pra descansar. Além disso, uma grande preocupação é como criar um filho.

Sempre tive medo de conseguir equilibrar os "sins" e "nãos". Quando devemos dar bronca? Quando devemos acolher? É tudo muito novo e só aprendemos na prática, não existe um manual. E isso causa muito medo!
 

MD: Desde que a Rafaela nasceu, qual foi o momento mais confuso, em que mais teve dúvidas? E como passou por essa fase?

DP: Sou músico e nesses quase 3 anos da chegada da Rafa minha maior dúvida sempre foi em relação à minha profissão.
Sempre queremos dar o melhor para os filhos e meu trabalho é muito instável. Diversas vezes cheguei a pensar em desistir e arrumar um emprego ‘normal’, mas graças a Deus tenho uma esposa que me apoia em tudo e sempre consegue me acalmar quando esse desespero bate, mesmo em determinadas épocas que somente ela estava trabalhando.
 

MD: Até pouco tempo atrás, as mães eram consideradas as pessoas mais fundamentais para a criança. Você acha que hoje em dia, pais e mães têm a mesma importância ou isso ainda pode melhorar?

DP: Eu fui criado por um pai viúvo. Minha mãe faleceu quando eu tinha 6 anos e minha irmã 11. Meu pai abriu mão de tudo pra viver exclusivamente pra nós. Pais e mães sempre tiveram a mesma importância mas infelizmente ainda existem homens que acham que a obrigação é da mãe.

Ou o homem some e não assume, ou ele assume, vive junto mas acha que o fato dele pagar as contas de casa, já está fazendo o papel de pai. Isso não existe!! Homens e mulheres têm a mesma importância e devem assumir esse papel. Todos devem se conscientizar.
 

MD: Você acha que existe alguma tarefa em que o pai pode desempenhar um papel ainda melhor que a mãe?

DP: Algumas atividades são totalmente possíveis tanto para homens quanto para mulheres. Não acredito que possa ser melhor que minha esposa em nenhuma delas, do mesmo jeito que ela também não. Quando você faz com vontade, com amor, você consegue fazer qualquer coisa. Penteio o cabelo da minha filha todas as manhãs, coisa que nunca imaginei que iria fazer. Sempre falo que um filho não pode ser tratado como obrigação. Não tenho obrigações. Eu ajudo minha esposa! Quando fazemos algo por obrigação, normalmente é porque não gostamos daquilo, quando ajudamos, é porque estamos fazendo com amor. Eu ajudo minha esposa e ela me ajuda. Nós nos ajudamos a constituir uma família.

MD: Quando tinha alguma dúvida em relação aos cuidados com a Rafa, a quem recorria? Você sente falta de um local que dê informações voltadas para pais?

DP: Graças às redes sociais encontramos qualquer tema com facilidade.  Então, hoje em dia está fácil. Se quer falar de mães, você encontra. Se quer falar de pais, encontra. Eu estou aprendendo muito com essas páginas, com as mães e pais que relatam suas histórias. Pra você ter uma ideia, aprendi muito a respeito do processo de adoção com a dona de uma página que acabou virando uma grande amiga. Mas é fato que o tema maternidade é infinitamente mais abordado do que o tema paternidade. Sempre tive e ainda tenho muitas dúvidas. A primeira pessoa que procuro é meu pai, que sempre foi minha referência. Mas eu tenho minha sogra que é um anjo de pessoa e ajuda de todas as maneiras possíveis. Minha irmã também me ajuda bastante porque já tem minha sobrinha de 9 anos e agora está grávida do segundo filho, então trocamos muitas ideias.
Mas o diálogo com minha esposa é muito importante quando ambos estão com dúvidas. Sempre conversamos muito e sempre resolvemos da maneira que achamos ser melhor pra Rafa.

MD: Como é sua rotina com a pequena?

DP: Então... É uma rotina diferente das famílias "normais" que estamos acostumados a ver. A Daniela trabalha de segunda à sexta. Sai de casa às 5:45 e chega em casa às 19:00, por causa disso faço o papel de dona de casa. Acordo às 7:00, arrumo a malinha da Rafa, preparo o leitinho dela. Depois disso eu a acordo, troco sua fralda, sua a roupa, penteio seu cabelo, dou a mamadeira, escovo os dentes e levo pra escola. Aí passo o dia fazendo minhas coisas e as coisas de casa. Limpo a casa, lavo roupa, faço comida... Às 17:30 eu vou buscá-la na escola e começa tudo de novo: fralda, mamadeira... Quando a Dani chega do trabalho a bagunça começa. Jantamos juntos, ficamos brincando na sala. Durante a madrugada, caso a Rafa acorde, quem levanta sou eu, pois a Dani acorda muito cedo. Nos finais de semana as coisas mudam. Como canto em uma banda de formatura, normalmente saio de casa umas 17h e chego 6h do dia seguinte. Por isso a Dani me deixa dormir o dia todo se eu quiser e é ela quem faz tudo! A gente se dá muito bem com a rotina e graças ao meu trabalho fora da rotina comum, a gente consegue dividir muito bem as tarefas.

MD: Você acha que as mães hoje relutam um pouco em repassar os cuidados para os pais?

DP: Nunca imaginei que isso acontecesse, mas com o projeto, conheci vários casos de mães que não deixam os pais se aproximarem. Talvez por ciúme, ou por achar que o homem é incapaz. Acredito que o mais importante é os pais entenderem que ambos são importantes. Não importa se são casados, separados. Nada disso importa. Ambos são importantes e devem estar presentes. Se os dois tiverem essa consciência, com certeza a criança vai crescer muito mais feliz. Acho que o segredo para o sucesso são duas coisas: amor e respeito. Se houver esses dois ingredientes, não tem como dar errado.

*O livro Dois Traços Cor-de-Rosa está à venda pelo site, com frete de R$ 5 para todo o Brasil.