O Papel do Pai

O Papel do Pai

20 Abril 2018 - 15:50
Publicado em:

Ele faz parte da família e precisa participar.

O papel do pai

1 - Dar apoio emocional à nova mãe, que pode se sentir insegura para desempenhar sua função materna.

2 - Mostrar ao bebê que existem outras pessoas no mundo além de sua mãe.

3 - Ensinar a criança que a mãe não é só dela. Que é preciso dividir sua atenção de vez em quando, evoluindo de uma extrema dependência para sua independênciarealtiva.

4 - É importante que o pai participe dos cuidados com a criança desde o momento do nascimento, como dar o primeiro banho, conversar com o pediatra, cantar uma cantiga e trocar fraldas. O pai deve participar ao máximo possível da rotina de seu filho.

5 - A presença do pai na vida de um filho é tão fundamental quanto a presença da mãe. Ela é diferente e complementar à materna.
 

Quando o pai não vive com a mãe, ele também deve participar. Ser pai é uma experiência maravilhosa, que independe da relação conjugal com a mãe.

 

- Acompanhar a mulher nas consultas do pré-natal, conhecer o médico que acompanhará o parto e, depois, o profissional de saúdeque vai cuidar do bebê.

- Estar presente no parto e apoiar a mãe nesse momento tão especial

- Tirar a licença-paternidade (normalmente de cinco dias) para aproveitar os primeiros dias do bebê em casa, ao lado da mãe e, sempre que possível, programar as férias para o primeiro mês do bebê.

- Acompanhar e incentivar a amamentação estando ao lado da mãe nesse momento. Também pode ajudar fazendo o bebê arrotar ou trocando as fraldas.

- Ajudar nas tarefas da casa.
 

Não é a mamãe

Pai, marido e fonte de carinho.
Dar à luz a uma criança é experiência única, intensa e que também representa uma carga emocional muito grande para a mulher. São muitas mudanças (no corpo, na casa, na família, na cabeça...) e tantas novidades, que pode ser difícil para a nova mãe lidar com seus medos e inseguranças sozinha. Ela precisa de atenção e de um "colinho" de vez em quando. Poder falar de seus sentimentos de alegria e de medo com o parceiro e sentir-se acolhida por ele nessas horas faz toda a diferença: ameniza a carga de intensa responsabilidade que acompanha o prazer de ter um bebê sob seus cuidados. E é fundamental que o pai saiba da importância de desempenhar esse papel, desde a gestação.

Pai também é gente 

Para que o pai consiga oferecer carinho e compreensão à nova mãe, ele próprio precisa estar tranquilo em relação ao seu novo papel. Por isso, deve se sentir útil desde o início, para a mãe e para a criança. Ficar com o bebê enquanto a mãe dá uma saidinha, trocar a fralda, dar banho, ninar... Cuidar do bebê é uma maneira de o homem satisfazer suas aspirações maternais - que, sim, existem! 
Participar do dia a dia do filho permite ao pai que aprenda como lidar com novas rotinas e aproxima-o afetivamente da criança.

Muita calma nessa hora 

Quando o bebê nasce, sua ligação com a mãe é tão forte que mãe e filho são quase como um só corpo. Uma relação de fusão que geralmente dura até os 3 meses de vida do bebê. Esse período exige maturidade emocional do pai: é difícil aceitar o fato de que o filho recém-nascido é a prioridade da mãe nos primeiros meses. É preciso compreensão e paciência, pois essa é uma fase com data marcada para acabar. Disputar a atenção da mãe com o bebê não é o melhor caminho, pois deixará a mulher ainda mais sobrecarregada.

Tem que participar

Se o pai precisa compreender a mãe e o filho nos primeiros meses de vida, a mulher também deve ter sensibilidade para perceber que o pai quer desempenhar seu papel nessa história - e não ficar só como espectador de uma relação intensa de amor entre mãe e bebê. Uma maneira de ajudá-lo a não ceder ao ciúme e não se sentir regeitado é pedir o auxílio dele, dando oportunidade e espaço para que se sinta parte dessa nova família. Para o bebê, a entrada do pai também tem um significado. Se a mãe abre espaço a um "outro", o bebê percebe que existem outras pessoas além de sua mãe. Percebe também que, às vezes, terá de dividir a mãe com essas outras pessoas. Aprende, então, que o mundo é cheio de regras e limites - a base essencial para suas relações futuras.

Compreensão, apoio e carinho: três palavras que devem fazer parte do vocabulário do pai sempre, mas, principalmente, durante a gravidez da mulher e os primeiros meses da vida do bebê. A presença do pai é fundamental para a mulher sentir-se segura e para mostrar ao bebê que a vida vai muito além do contato com a mãe. O exercício da paternidade é muito gratificante.

Chamando a mulher de volta

Durante as primeiras semanas de vida do bebê, mãe e filho estão muito ligados. Mas isso não irá se estender eternamente. A partir do 3o mês, está na hora de a mãe lembrar que também é mulher, amiga, esposa e tem outras necessidades que não podem ser supridas apenas pela relação com a criança. Nem sempre é fácil, porque o filho exerce um fascínio sobre a gente. Mas, é ai que entra o pai, chamndo a mulher de volta aos outros papéis que ela costumava desempenhar antes de se tornar mãe. Esse processo de retomada da vida é importante não só para a mulher e o marido, mas para o próprio filho, que precisa perceber que a mãe não é só sua.

Fonte: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal