Pais que se envolvem na criação dos filhos são mais saudáveis, diz pesquisa

Pais que se envolvem na criação dos filhos são mais saudáveis, diz pesquisa

26 Outubro 2015 - 16:27
Publicado em:

Bem-estar e sentimento de satisfação completam a vida dos pais ativos na criação dos filhos

Brincar, educar e passar mais tempo com os filhos protege os homens de várias doenças, além de aumentar o bem-estar [Crédito: Tati Abreu/Studio Barbarella]

Especialistas são unânimes em dizer o quanto os filhos podem se beneficiar da presença dos pais em sua criação. O que pouca gente para pra pensar é o quanto essa relação pode ser revolucionária e do bem para os pais também.

Um relatório do State of the World's Fathers publicado recentemente e baseado em mais de 700 pesquisas de vários países concluiu que pais que participam ativamente da criação dos filhos, são mais felizes, saudáveis e vivem melhor. Segundo os entrevistados, quem tem uma boa relação com a prole tem menos problemas mentais e emocionais, menos chances de usarem drogas, e uma vida mais longa. Isso sem falar na felicidade e bem-estar que esses pais apresentam no dia a dia.

Essa constatação faz todo o sentido se formos pensar que pais tentam levar uma vida melhor em nome dos filhos. Por exemplo, Fabiano Sassen, 38, pai de Valentina, 4, conta que a atenção com a saúde mudou bastante depois que virou pai. “Minha alimentação mudou radicalmente e eu passei a me cuidar melhor. Nossos horários de dormir e de acordar ficaram mais regrados. Minha preocupação em deixar um legado material e emocional também mudaram. E passei a dirigir mais na defensiva”, conta.

Para os autores do relatório, essa mudança de vida tem total fundamento, já que os pais mais ativos, diga-se de passagem, acabam se sentindo mais completos também. Ainda de acordo com o estudo, as meninas e as mulheres são as mais influenciadas por essa posição, pois com a presença do pai, elas conseguem se dedicar mais à carreira e se sentirem seguras, no presente e no futuro.

Segundo o relato, aquelas crianças que tinham contato constante com o progenitor tinham melhor desenvolvimento cognitivo, desempenho na escola e menor taxa de delinquência. Isso sugeria que o grau de envolvimento do pai na vida da criança pode ser tão forte como o a mãe.

“Os pais desempenham um importante papel no desenvolvimento dos filhos, impondo regras e ajudando a superar desafios. Além disso, a interação entre pais e filhos ajuda no desenvolvimento das habilidades sociais das crianças. Os meninos se identificam mais com a figura paterna, normalmente. Se ele crescer com um pai carinhoso, provavelmente buscará construir uma família assim no futuro também”, comenta Michelle Pereira de Moraes Leite, psicopedagoga e professora no Evolve Berçário e Colégio Infantil

Ainda segundo Michelle, é na primeira infância, até os 3 anos, que a presença do pai é ainda mais importante.  “A formação da personalidade ainda não está totalmente definida. Por isso, a presença dos pais faz toda a diferença. A ausência pode acarretar no surgimento de doenças cognitivas, problemas afetivos, desnutrição (já que pode influenciar na alimentação). Além disso, a criança com pai ausente pode sentir que não é amada e isso acaba abrindo espaço para conflitos”, diz a especialista.