Excesso de gases durante a gestação

Excesso de gases durante a gestação

13 Maio 2016 - 21:48
Publicado em:

A emissão de gases é algo corriqueiro no funcionamento do corpo humano. Durante o período da gestação é ainda mais natural que as mulheres produzam um nível elevado de gases por conta das altas e intensas doses de progesterona que são produzidas no início da gravidez.

[Crédito:GETTY IMAGES]

A progesterona em si é um hormônio que atinge diversos órgãos e tecidos de todo o corpo, relaxando e suavizando a sua estrutura e funcionamento. Esse relaxamento também afeta o trato gastrointestinal, que, portanto acaba deixando o processo digestivo mais lento do que o normal e fazendo as enzimas trabalharem mais devagar.

A produção de gases ocorre geralmente pelo ar ingerido durante a respiração e pela ação contínua de bactérias que podem agir em alimentos não digeridos no cólon do intestino grosso. Geralmente esses gases são dispersados aos poucos através de eructação - também conhecido como arroto – mas há uma pequena parcela que é eliminada através de flatulência.

A melhor forma de combater o excesso de gases é focando na alimentação regrada e no afastamento de certos produtos. É indicado cortar ou reduzir a ingestão de carboidratos assim como gorduras, que provocam uma desaceleração no processo digestivo e causam um aumento no estufamento abdominal. Alguns legumes também podem contribuir para o mal estar, portanto é sugerido retirar gradualmente as leguminosas da dieta até perceber qual delas gera mais incômodo nos períodos após a refeição.

Também é altamente recomendado cortar alimentos que por natureza já aumentam a produção de gases, como batata doce, ovos, repolho, feijão, grãos, iogurte, lacticínios, couve-flor, lentilha e bebidas gasosas. É necessário beber bastante água durante o dia, mas limitar a ingestão de líquidos durante as refeições ajuda a evitar o inchaço e pequenas atividades físicas como caminhadas diárias auxiliam a melhorar a circulação, a respiração e o funcionamento do intestino. Procure ingerir grande quantidade de fibras e evite o uso de balas e chicletes no geral. Mastigar devagar e se alimentar de pequenas porções durante o dia também são uma forma de combater o problema, assim como optar pelo uso de roupas largas e confortáveis – que não exerçam pressão na barriga. No período final da gravidez é comum que o útero retarde ainda mais a digestão ao pressionar a cavidade abdominal, o que gera incômodo principalmente após as refeições.

Para as gestantes que ainda assim sentirem muito desconforto ou queiram acelerar o processo indica-se remédios naturais, como o chá de erva cidreira (com ação calmante) e chá de funcho. Em casos mais graves recomenda-se procurar uma obstetra para receitar medicamentos que auxiliem na redução de gases, como dimeticona ou luftal. Além disso, também existe a possibilidade da aplicação de um microclister como Microlax, comercializado normalmente em farmácias. Converse com seu médico caso o incômodo for intenso e se assemelhar com dores abdominais ou cólicas, diarreia, vômito ou prisão de ventre.

É importante lembrar que a produção de gases durante a gestação não prejudica o feto em nenhum momento da gravidez. No entanto, esse problema incomoda a grávida e gera desconforto durante geralmente até o parto.