Desmamar a criança ou deixar que ela pare quando desejar?

Desmamar a criança ou deixar que ela pare quando desejar?

30 Agosto 2016 - 15:54
Publicado em:

Existe um momento na maternidade que representa certa angústia para a maioria das mães: o desmame, ou seja, quando o bebê deixa de receber o leite materno e, ao invés disso, é nutrido apenas por outros alimentos, como sopas, papinhas, sucos e outros. Essa é uma etapa muito importante e algumas mães têm “dó” de suspender o aleitamento ou acreditam que esse momento de contato com a criança vai fazer muita falta. No entanto, é fundamental que essa intimidade criada pela amamentação não se perca e seja substituída por outras demonstrações de carinho.

Continuar amamentando ou não? [Crédito: LWA/Dann Tardif via Getty Images]

Basicamente, a mãe pode optar por desmamar a criança ou deixar que ela pare quando desejar. A segunda opção é a mais recomendada pela comunidade médica, a qual acredita que o bebê dá sinais físicos e emocionais de que está preparado para ser desmamado. No entanto, quando esse processo parte da mãe, ela precisa ter em mente de que deverá ser paciente e respeitar o tempo do bebê, que pode significar meses.

O ideal é não estipular um prazo para deixar de amamentar, porque isso pode se tornar até frustrante. Tente perceber como o seu filho está se comportando em relação a isso, ou seja, se ele já está aceitando bem outros alimentos, se parece estar menos interessado no peito (chega o momento em eu alguns bebês começam a fazer o peito de “chupeta”), ou se ele realmente não procura mais mamar com tanta frequência. São sinais do dia a dia que a mãe é a melhor pessoa para perceber.

Quando decidir realmente desmamar, seja paciente e faça isso aos poucos, especialmente se a vontade não tiver partido do bebê. É bem possível encontrar resistência e não é nada indicado desmamar de repente, de uma única vez. A experiência pode ser traumática! Por isso, vá aos poucos e não tenha pressa, ajude seu bebê a se adaptar a uma nova rotina de maneira lenta e gradativa.

Comece suspendendo uma mamada do dia, especialmente se perceber que a criança está distraída naquele momento. Como ela não deve ficar sem se alimentar, você pode oferecer leite no copinho ou na mamadeira, pode ser o seu próprio leite ou algum indicado para a faixa-etária do seu filho. Além de fazer com que a criança vá se acostumando, “pular” uma mamada também faz com que o seu corpo vá reduzindo a produção do leite.

Outra alternativa é atrasar as mamadas, adiá-las. Com crianças maiores, que já sabem falar e que pedem o mama, você pode até conversar, dizer que ainda não está na hora, tentar distrai-la, mas sem brigar. Ao invés de amamentar logo no início da noite, por exemplo, faça isso só quando o bebê estiver se preparando para dormir e assim por diante.

Aos poucos, a própria criança vai perdendo cada vez mais o interesse. Mas esse processo todo pode levar de algumas semanas até cerca de seis meses, por isso, evite tomar como base o que aconteceu com familiares ou amigas. Cada criança tem a sua própria forma de agir e reagir!